Make your own free website on Tripod.com

 

Primeiro vôo solo

     Não se trata neste momento de emoções renovadas, pois esta é uma sensação nova, que se multiplica a cada instante, invade o corpo, uma corrente que eleva a gente e prende a um estado de espírito quase indefinível.

     É bom sentir-se dono do mundo, dono do meu orgulho de ser capaz, sentir que a vida é minha, pois sei eu tentei e esta é a minha realização, o meu prêmio. Nem passados nem futuro, apenas saborear o momento a bordo de um singelo "teco-teco" como vocês gostam de chamar. Se vocês pudessem me ouvir neste momento eu diria - Olhem para cima. É apenas um "teco-teco", eu sei. Porém neste momento ele é um universo, pelo qual venço barreiras. Através desta dimensão a qual vivo agora, domino as leis físicas, irreversíveis, que os mantêm andando pelas calçadas, magnetizados ao solo. Me sinto tão seguro quanto vocês, o mais importante: estou fazendo isto sozinho, sem ajuda de ninguém.

     É esse sentimento infantil que me delicia e traz de volta os tempos em que de calças curtas, me aventurava por caminhos até então desconhecidos, com uma ponta de bravura desnecessária.

     Sou novamente criança e os caminhos nesse oceano infinito, são também infinitos. Aqui eu ordeno - Agora aviãozinho, você me levará ao aeroporto.

     Sei que haverá platéia, então o pouso terá que ser perfeito. Pelo menos a aproximação está mais que razoável. É como que escorregar por uma rampa invisível mas retilínea.

     Um leve toque no asfalto e tudo termina. Já sinto que não flutuo mais, meus pensamentos também não. O contato com o solo desfaz a corrente de embriagues que domina os sentimentos. É como uma válvula que se fecha.

     Após o banho de lama, tributo pago pelo primeiro vôo, o copo de aguardente vem parar na minha mão.

     Meneio a cabeça, mas a insistência é total.

     Porque não - Afinal já fazem dezessete anos, e há sempre uma primeira vez para tudo!

José Eduardo Dippolito

 

<< voltar